terça-feira, 22 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018

A ETEC DE ARUJÁ ESTÁ CADASTRADA COMO ETEC PROFA. LUZIA MARIA MACHADO


O público é multicanal. E a sua marca?

O número de pessoas que tem acesso à internet vem crescendo dia após dia. Segundo uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 100 milhões de pessoas estão conectadas em todo o Brasil, somando mais de 63% dos domicílios do país. Um dos responsáveis por essa expansão são os celulares, presentes em 94,8% dos lares.
Quando se fala em engajamento, a mídia online apresenta ainda mais vantagens. De acordo com a 18ª Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia 2017-2021, realizada pela PricewaterhouseCoopers (PwC) – uma das maiores prestadoras de serviços profissionais do mundo nas áreas de auditoria, consultoria, entre outros, empresas que utilizam a tecnologia e a análise de dados para entender os desejos dos consumidores terão mais chances de crescimento nos próximos anos. No Brasil, o investimento em mídias digitais deve crescer 12% ao ano até 2021, já nas mídias tradicionais o ritmo será menor. Na TV, a projeção é crescer 5,5% ao ano, e nos jornais e revistas o investimento deve cair para 3% e 5% por ano, respectivamente.
Para que as marcas ganhem destaque e relevância no mercado é preciso que criem estratégias que vão impactar os consumidores nos canais em que eles estão conectados. Para que essa comunicação seja realizada de forma assertiva, as empresas precisam, em parceria com suas devidas agências, procurar entender como seu público alvo se relaciona com seus produtos ou serviços e por qual meio consome informações. Isso fará toda a diferença na hora de melhorar o engajamento com o consumidor final.
Como citamos anteriormente, o mobile é um dos principais canais utilizados pelos consumidores. Dessa forma, é imprescindível que as marcas criem estratégias direcionadas para este ambiente. Para isso, é necessário se atentar a alguns pontos específicos, já que a concorrência está cada vez mais acirrada pela atenção dos usuários de smartphones. É imprescindível desenvolver conteúdos relevantes, criar experiências envolventes e atuar com uma distribuição assertiva de target.
De maneira geral, a publicidade digital possui diversas oportunidades para os anunciantes ficarem mais próximos do seu público de forma multicanal. Como no ambiente virtual tudo acontece muito rápido e de maneira dinâmica, é importante que as marcas procurem trabalhar com foco em entregar a melhor experiência para o usuário.
Outro ponto relevante é que com o crescimento das novas gerações e, por consequência, dos novos potenciais consumidores que ainda entrarão na internet, os anunciantes precisam ter conhecimento de todas as informações pertinentes sobre perfis de compra antes de realizar uma campanha. Somente assim ela poderá despertar a curiosidade do público.
Podemos concluir que o digital corrobora muito para que seja feito o mapeamento dos perfis de cada público, distribuição de forma segmentada e ainda, acompanhamento dos resultados em todas as fases de contato. Com isso, será possível otimizar campanhas enquanto elas acontecem e, ainda, alcançar altas taxas de engajamento com um conteúdo único, pensado para vender o produto.
 * Victor Canô é CEO da Cazamba, empresa de tecnologia em mídia que permite marcas engajarem com seus consumidores
Fonte http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/o-publico-e-multicanal-e-a-sua-marca/124891/

segunda-feira, 21 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018

A ETEC DE ARUJÁ ESTÁ CADASTRADA COMO ETEC PROFA. LUZIA MARIA MACHADO


Condomínios logísticos têm queda na taxa de vacância

A taxa de vacância nos condomínios logísticos de alto padrão no Brasil apresentou queda de 2 pontos percentuais no primeiro trimestre de 2018, em relação ao último trimestre do ano passado, encerrando o período em 23% .
O resultado é reflexo do saldo positivo da absorção líquida entre janeiro e março de 2018 em todo o país. Apenas Pernambuco registrou absorção negativa (-9 mil m2). Os estados que apresentaram maior volume de locação foram São Paulo (213 mil m2), Paraná (74 mil m2), Minas Gerais (55 mil m2) e Rio de Janeiro (53 mil m2). Os estados que registraram maior área devolvida foram São Paulo (63 mil m2), Minas Gerais (26 mil m2), Pernambuco (20 mil m2) e Paraná (7 mil m2). A pesquisa realizada pela Colliers International Brasil inclui todos os estados e o Distrito Federal.
Para Ricardo Betancourt, presidente da Colliers Brasil, a expectativa para os próximos meses é de leve queda na taxa de vacância, visto que há perspectiva de aumento do consumo das famílias e previsão de menor volume de inventário a ser entregue.
No primeiro trimestre de 2018, o mercado recebeu novo inventário nos estados de Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Estes imóveis adicionaram 141 mil m² ao inventário no país, encerrando o período em 13.367 milhões de m².
Em relação ao preço pedido a média nacional tem leve queda, se comparado ao final do ano passado: R$ 19,00 m²/mês. No último trimestre de 2017, os preços eram de R$ 20,00 m²/mês. Distrito Federal (R$ 26,00 m2/mês) e o estado da Bahia (R$ 24,00 m²/mês) apresentam os maiores preços médios do país. Os menores preços pedidos são encontrados no estado do Ceará (R$ 14,00 m²/mês), Goiás (R$ 16,00 m²/mês) e Pernambuco (R$ 17,00 m²/mês).

Fonte https://newtrade.com.br/logistica/condominios-logisticos-tem-queda-na-taxa-de-vacancia/

domingo, 20 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018


A ETEC DE ARUJÁ ESTÁ CADASTRADA COMO ETEC PROFA. LUZIA MARIA MACHADO


Redes sociais: uma área livre com regras rígidas

Redes sociais podem trazer problemas aos negócios, como vazamentos de informações, publicações impensadas de funcionários em redes sociais, e como consequência – danos à imagem da organização



Vivemos na era do "Like" – as redes sociais nos acompanham na resolução de uma variedade de problemas: aqui aprendemos, trabalhamos, relaxamos, fazemos compras. Por sua vez, os especialistas em gerenciamento de tempo não se cansam de nos lembrar, como as redes sociais podem ser prejudiciais à nossa produtividade, como sem perceber, gastamos horas por dia com elas. Além da baixa eficiência, o uso incorreto das redes sociais traz riscos e pode comprometer a reputação, arruinar carreiras e causar perdas financeiras.
Não menos problemas as redes sociais podem trazer aos negócios: vazamentos de informações, publicações impensadas de funcionários em redes sociais, e como consequência – danos à imagem da organização. Os limites entre as contas pessoal e profissional estão se estreitando cada vez mais, o que, infelizmente, é pouco compreendido pelos funcionários.
Outra história levada à justiça foi a demissão de um funcionário da Apple por causa de uma declaração negativa sobre a empresa no Facebook. A justiça trabalhista britânica reconheceu que a demissão era legal, uma vez que as regras corporativas da Apple prescreviam a proibição estrita de declarações desse tipo tanto sobre a própria empresa quanto sobre seus produtos. Além disso, o tribunal apontou que mesmo publicações ocultas nas páginas pessoais de funcionários poderiam ser compartilhadas por amigos virtuais e prejudicar a imagem da empresa.
As ameaças das redes sociais
De que forma as redes sociais podem ser perigosas para os usuários e empresas?
Ø Publicação de informações confidenciais e fotos em redes sociais. Tais incidentes geralmente chegam até a mídia. Os usuários postam voluntariamente fotos de seus passaportes e cartões de embarque nas redes sociais, contando sobre suas viagens. De acordo com o especialista SI, Brian Krebs, o código de barras ou código QR da passagem - é uma fonte de informação se houver acesso à Internet.
As empresas também estão na zona de risco devido à imprudência de seus funcionários. Assim, com um dos clientes da SearchInform, ocorreu a seguinte história:
Dois funcionários foram trabalhar no final de semana. Na segunda-feira, um especialista do serviço de segurança descobriu uma foto de uma instalação secreta no Facebook. Os funcionários visitaram o local, Tiraram fotos nas instalações e as postaram nas redes sociais. As fotos foram rapidamente apagadas. Em caso de ampla divulgação, o cliente provavelmente suspenderia o contrato e a empresa perderia mais de US$ 4 milhões.
Ø Fraudes, técnicas de engenharia social, ataques de phishing. Por enquanto, em geral, estamos falando sobre o roubo de dados de pessoas físicas, a retirada de fundos de suas contas, e sobre a invasão das contas de seus amigos e parentes. Mas, muitas vezes, os dados coletados são usados para um ataque subsequente à empresa empregadora. Divulgando informações sobre o local de trabalho e seus colegas, os funcionários ajudam os fraudadores a reunir um dossiê profissional. De acordo com especialistas do Anti-Phishing Working Group (APWG), empresas com cerca de 10.000 funcionários gastam US$ 3,7 milhões por ano para eliminar os efeitos de ataques de phishing.
Prática comum: um funcionário recebe um e-mail de seu supervisor, pedindo para que envie imediatamente informações confidenciais através de sua rede social ou mensageiro instantâneo. O mesmo se encontra em uma viagem de negócios ou de férias. O funcionário envia os dados e depois fica sob monitoramento do serviço de segurança – uma vez que na empresa, existe a proibição direta sobre o envio de informações via mensageiros instantâneos.
Para entender a situação, os especialistas SI devem ter à sua disposição ferramentas especiais - DLP, Sistemas SIEM, etc. Com uma análise retrospectiva dos eventos, o sistema DLP irá resolver a situação facilmente. O programa mostrará com que finalidade o funcionário enviou dados. E embora isso não o torne inocente, ao menos mostrará que ele não agiu com más intenções.
Ø Erros ao enviar mensagens. Na área de trabalho, muitas vezes temos várias janelas abertas, por isso não é surpreendente quando enviamos algo por engano para um endereço errado: mensagens, documentos, capturas de imagens. Isso é sempre desagradável, mas às vezes acarreta em consequências mais sérias. Por exemplo, muitas vezes dessa forma, várias pessoas tomam conhecimento sobre os salários de seus colegas ou os dados pessoais de clientes acabam sendo divulgados através de um envio em massa.
Para evitar tais acidentes, também existem ferramentas especiais - mecanismos de bloqueio. Os documentos sigilosos são marcados com inscrições especiais e seu envio para fontes externas é bloqueado. Ao enviar um documento desse tipo, o e-mail é colocado em quarentena e sem a verificação do serviço de segurança, o e-mail não será enviado.
Ø Declarações inadequadas na rede. Aparentemente a maioria das pessoas deveria estar acostumada com o fato de que mesmo uma conta pessoal não é tão pessoal a ponto de expressarem absolutamente qualquer pensamento publicamente, mas sérios incidentes continuam acontecendo.
As pessoas acreditam que sua conta pessoal é um espaço privado onde compartilham sua opinião principalmente com os amigos. Diante disso, o que as empresas podem fazer é regular as ações de seus funcionários na rede, a fim de evitar danos à sua imagem e proteger os funcionários de publicações impensadas. Uma opção é a criação de “Regras de uso de mídias sociais” (Social Media Policies), como as utilizadas pelas gigantes Hewlett-Packard, Best Buy, Adidas e Los Angeles Times. No entanto, o cumprimento de quaisquer regras deve ser verificado, por isso, os especialistas SI devem possuir ferramentas modernas de analise dos fluxos de informações e notificação de incidentes.
Ø Vazamento de dados de organizações. Aqui estamos falando sobre ações deliberadas de funcionários, a saber - sobre “desvios” de informação confidencial. Visto que as redes sociais são também um canal de transmissão de dados comum, assim como o e-mail. Vamos relembrar o caso com o ex-funcionário do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Jofi Joseph, que administrava uma conta do Twitter com o nome de usuário @NatSecWonk, onde criticou duramente as decisões de seus chefes e divulgou informações sigilosas. Durante um ano e meio, Jofi Joseph conseguiu publicar cerca de 2.000 mensagens, após as quais ele foi incriminado pelo serviço de segurança do Departamento de Estado dos EUA.
Como se defender?
Para que as redes sociais não venham a ser uma armadilha para pessoas e empresas, os gestores e gerentes de RH deveriam tomar certas precauções:
• Regulamentar o uso de redes sociais. Convença seus funcionários que um comportamento cauteloso nas redes sociais é regra. A permissividade acarreta no risco de perda emprego e à empresa – a perda de sua reputação. Outra opção é tornar a conta anônima e não especificar o local de trabalho. Embora para figuras públicas e gestores isso seja extremamente difícil. Neste caso, a introdução das “Regras de uso de mídias sociais” será de grande ajuda.
• Recomendar a criação de uma conta separada, caso as redes sociais sejam necessárias para as tarefas de trabalho. Quando a empresa possui um sistema de proteção contra vazamentos de informações (DLP), ele rastreia automaticamente todas as atividades realizadas pelo usuário no PC, salva o histórico de mensagens, sem diferenciar as contas pessoais e de trabalho nas redes sociais. Assim, o empregador garante a segurança de seus segredos comerciais. Os funcionários, no entanto, precisam ser notificados sobre as medidas de segurança da informação para que possam manter a privacidade de suas conversas pessoais e não as façam usando os equipamentos do empregador.
• Realizar um trabalho explicativo. As pessoas, sem se importar, compartilham na rede dados de passaportes, endereços, telefones e outras informações pessoais. “Quem precisa disso? Estou seguro” – acreditam os usuários ingênuos e muitas vezes se veem enganados quando descobrem, por exemplo, um débito no cartão bancário realizado por pessoas desconhecidas. Alguém em busca de “likes” publica notícias (e muitas vezes não públicas) sobre a empresa baseadas em sua própria interpretação. Tais ações imprudentes ameaçam empresas e funcionários com sérios problemas.
O problema também é que as redes sociais não estão muito preocupadas com os dados que seus usuários têm publicado e não realizam trabalhos explicativos. Portanto, é melhor que as empresas tomem conta deste assunto e conduzam regularmente atividades de treinamento SI entre seus funcionários.
• Recomendar aos funcionários que protejam suas contas com senhas mais complexas. Essa dica já pode ser considerada clássica, assim como a recomendação de não usar a mesma senha para todas as contas. No entanto, até hoje, esses conselhos são negligenciados por um grande número de funcionários.
• Proteger os dados usando o sistema DLP. Prever todos os tipos de riscos e se proteger contra o fator humano é impossível. No entanto, podem ser utilizadas soluções técnicas modernas como os sistemas DLP, que garantem a preservação de informações confidenciais e, portanto, protegem não apenas a empresa, mas também seus funcionários de danos à reputação e perdas financeiras.
As redes sociais, assim como a internet em geral, não podem ser consideradas um espaço seguro, mas aparentemente, verdades banais como estas, com o advento de novas ameaças, precisam ser reaprendidas.
Vladimir Prestes — Diretor Geral da SearchInform no Brasil, líder russa em sistemas de segurança da informação há mais de 20 anos. Com mais de dois mil clientes e cerca de 1.200.000 computadores protegidos, possui escritórios em 16 países.
Fonte http://www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/redes-sociais-uma-area-livre-com-regras-rigidas/124888/

sábado, 19 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018

A ETEC DE ARUJÁ ESTÁ CADASTRADA COMO ETEC PROFA. LUZIA MARIA MACHADO


Fórum Sulserve traz palestras gratuitas com cases de sucesso nos setores de Padaria, Gastronomia e Hotelaria

Feira inédita oferecerá ações voltadas ao incentivo ao conhecimento e atualização profissional do segmento

Entre os dias 22 e 24 de maio, das 13 às 20 horas, os profissionais do setor de Padaria, Gastronomia e Hotelaria se encontrarão na Sulserve, que ocorrerá na Fenac, em Novo Hamburgo/RS. Além de reunir expositores com novidades do segmento, a feira oferecerá ações voltadas ao incentivo ao conhecimento e atualização profissional, como palestras, workshops práticos e talk show. Atendendo uma demanda até então pouco explorada na região Sul, a Sulserve surgiu a partir de uma pesquisa de mercado e busca fortalecer o segmento na região.
Durante os três dias de evento, a programação do Fórum Sulserve oferecerá palestras do setor de panificação, hotelaria e gastronomia, das 15 às 17 horas. Serão atividades gratuitas para profissionais do segmento, focadas em gestões de sucesso no setor. Para Silvana Gutierrez Castelli, diretora da Castelli Escola de Chocolataria, uma das empresas que trará profissionais para palestrar, os setores de padaria, gastronomia e hotelaria necessitam de atualizações constantes. “A Região das Hortênsias, por exemplo, congrega inúmeros empreendimentos na área da gastronomia e hotelaria que necessitam atualizações constantes tanto em relação à capacitação dos seus profissionais, quanto nos equipamentos, procedimentos e sistemas. A realização da Sulserve é uma necessidade para manter os negócios na linha de frente deste mercado em constante transformação e movimento”, destaca a diretora.

Confira abaixo a programação completa do Fórum Sulserve (sujeita à alteração):

22 de maio (terça-feira) - PANIFICAÇÃO
"Uma boulangerie francesa na serra gaúcha"
Palestrante: Frédéric Onraet (Padaria Casa Francesa)

"Como agregar mais valor ao food service com produtos de chocolate"
Palestrante: Jumar da Silva Pedreira (Escola Castelli de Chocolataria)
"Ana Zita, a mulher da padaria - segredos da gestão de negócios de um case inspirador"
Palestrante: Ana Zita Fernandes (Barbarella Bakery)
23 de maio (quarta-feira) - HOTELARIA
Talk Show com Rafael Peccin – Case Grupo de Hotéis Casa da Montanha
"Hospitalidade - inovação na gestão"
Palestrante: Geraldo Castelli (Castelli Escola Superior de Hotelaria) com lançamento do livro “Hospitalidade – Olhares e Conexões e sessão de autógrafos

24 de maio (quinta-feira) - GASTRONOMIA
"Do consultório ao MasterChef Portugal em nome da paixão pela cozinha"
Palestrante: Renata Monteiro (MasterChef Portugal 2015)
"Gestão de pessoas e treinamentos: novos conceitos a partir do case Hard Rock Café"
Palestrante: Fabiano Feltrin (Grupo Feltrin)
"Internacionalmente local"
Palestrante: Carlos Kristensen (Restaurante Hashi/Um Bar & Cozinha)
ARENA DO CONHECIMENTO 

Paralelo ao Fórum Sulserve, a Arena do Conhecimento oferecerá palestras e workshops em parceria com o Instituto SENAI de Tecnologia em Alimentos e Bebidas, Instituto Federal RS – Campus Porto Alegre (IFRS) e Universidade Feevale. As atividades também são gratuitas e ministradas por profissionais qualificados do setor. A programação abordará temas como: gestão de estoques; processos para medir o desempenho; segurança do trabalho em panificação e confeitaria; boas práticas; a arte na integridade dos alimentos; embalagem e rotulagem de produtos; recuperação de tributos em empresas do Simples; princípios do lean manufacturing; pães decorados; inovando em panificação; doces finos; pães de couvert; confecção e aplicação de fermento natural; tendências para panificação; biscoitos light e sem glúten; workshops de mixologia (drinks); de alimentação funcional; de sobremesa de colher – creme catalão, ciência dos musses e cases de sucesso.

Para o palestrante e professor do Curso Técnico de Panificação do IFRS - Campus Porto Alegre, Odoaldo Ivo Rochefort Neto, a Sulserve será de extrema importância para a região porque reunirá em um único espaço os principais atores de importantes setores econômicos impulsionadores da economia local e nacional. “Empresas e profissionais da área de panificação, hotelaria, gastronomia e turismo terão a chance de ter no nosso estado uma feira em que poderão realizar oficinas, assistir palestras e presenciar o que de mais moderno há no setor, bem como tirar as suas dúvidas com entidades representativas e instituições de ensino que estão apoiando o evento”, explica. O professor ainda destaca o aumento da rede de contatos durante a feira. “Isso garante uma promoção e divulgação de negócios, além de facilitar a busca por soluções para as necessidades que surgem no dia a dia das empresas”, finaliza.
A programação completa pode ser conferida no site www.sulserve.com.br, no qual também é possível realizar as inscrições para as palestras e workshops e credenciamento para o evento. O candidato deve se inscrever previamente em cada palestra que pretende participar ou para o dia do Fórum Sulserve.

Sobre a Sulserve - O evento é uma realização da FENAC S/A, com patrocínio do SICOOB/ECOCREDI, e tem apoio da Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo, ABRASEL (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), ACOPARG (Associação das Confeitarias e Padarias do RS), FBHA (Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação), IFRS (Instituto Federal RS - Campus Porto Alegre), SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), SEGH (Sindicato Empresarial de Gastronomia e Hotelaria Região Uva e Vinho), SINDHA (Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região), SindGastrhô (Sindicato de Gastronomia e Hotelaria), SINDIHOTEL RS (Sindicato Intermunicipal de Hotelaria do Rio Grande do Sul) e SINDIPAN (Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria e de Massas Alimentícias e Biscoitos do Rio Grande do Sul).

SERVIÇO

O quê: Sulserve – Feira de Padaria, Gastronomia e Hotelaria
Quando: 22, 23 e 24 de maio, das 13 às 20 horas
Onde: Fenac, Novo Hamburgo/RS (Av. Nações Unidas, 3825, bairro Ideal)
Quanto: entrada gratuita e exclusiva aos profissionais do setor
Credenciamento e inscrição para palestras: através do site www.sulserve.com.br
Fonte http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/forum-sulserve-traz-palestras-gratuitas-com-cases-de-sucesso-nos-setores-de-padaria-gastronomia-e-hotelaria/124889/

sexta-feira, 18 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018

A ETEC DE ARUJÁ ESTÁ CADASTRADA COMO ETEC PROFA. LUZIA MARIA MACHADO


Você tem um plano de marketing pessoal?

A imagem está em constante construção, seja ela no contato direto com as pessoas ou nas redes sociais
Na construção de uma imagem positiva, profissionalmente falando, é preciso ter planejamento. Primeiro de tudo, deve-se entender sobre seu próprio conteúdo. Sua história, seus conhecimentos, sua missão, suas habilidades, seus diferenciais e seus valores. Aquilo que você é deve ser comercializado. Para comercializar algo é preciso saber que estamos ofertando um produto, por mais que estejamos falando de pessoas. Todo produto é desenvolvido com base nas necessidades existentes. Contudo, os profissionais – ou pessoas –, são únicos, cada um tem formação, história de vida, objetivos já alcançados e planejamento para alcançar novos. Neste momento não podemos focar no que o mercado corporativo precisa, mas no que temos de diferencial para ofertar.
A marca, o conteúdo e a embalagem deste produto, ou seja, como este produto está se apresentando, deve estar aderente àquilo que você é, àquilo que você entrega. O profissional precisa se vender. A reputação de um profissional diz muito sobre sua aceitação no mercado de trabalho. Nossa imagem é baseada naquilo que construímos durante nossa trajetória profissional.
Portanto, temos de lembrar a todo momento que toda ação tem uma consequência. A imagem de um profissional está em constante avaliação. O que nos leva a ter, ou não, uma boa reputação e uma boa imagem é a nossa habilidade de potencializar os pontos positivos e afastar imperfeições que possam afetar nossa credibilidade. Podemos dizer que o marketing pessoal é uma ferramenta para o sucesso e quem a domina por completo destaca-se na multidão.
Existem diversas situações que formam sua imagem pessoal. Levá-las em conta é a base para que você consiga inspirar confiança em si mesmo e nos outros.
Não apenas falando de vestuário, manter uma imagem apresentável é fundamental. Isso vale para o que você quer transmitir de conteúdo ao outro. Importante lembrar que estamos falando da maneira com que devemos nos apresentar e nos mostrar para causar uma boa primeira impressão dentro do que é a nossa personalidade, colhendo excelentes resultados tanto na vida pessoal quanto na profissional.
Não existe regra. O mais importante é entender que a atualização constante, a reciclagem e o entendimento dos objetivos farão com que o profissional tenha uma imagem valorizada. Independentemente de mudanças de área de atuação ou de cargo, posição hierárquica, ou de empregador. Somos definidos por aquilo que já fazemos, estamos fazendo e/ou vamos fazer. Portanto, é necessário que o profissional mantenha sua rede de contatos ativa para que novos contatos ocorram de maneira assertiva. Seja confiante e otimista; saiba se relacionar com pessoas; tenha iniciativas, responsabilidade e maturidade; reúna empatia, ética, integridade, paciência. A imagem está em constante construção, seja ela no contato direto com as pessoas ou nas redes sociais. Não pense que o que você transmite na internet também não influencia no seu marketing pessoal. Vender o que pode ser comprado é a melhor forma de ter uma imagem aceitável.
Outro detalhe também a ser evidenciado: faz-se necessário sermos leais a nós mesmos. Dizer sim a tudo apenas para transmitir algo que não somos não é nada favorável. Temos certas habilidades e outras a serem desenvolvidas, mas também haverá algumas em que não teremos êxito, mesmo após estudo e prática.
O mercado de trabalho nunca exigiu tanto das capacidades das pessoas. O modo como nos expomos no ambiente físico e virtual representa um grande desafio em meio a um cenário de larga competitividade e significativas transformações. 
Como você pôde verificar, criar um plano de marketing pessoal é um ótimo meio de ajudá-lo a definir seus objetivos e a posicionar-se como um profissional. Assim, você será capaz de maximizar o poder da sua marca pessoal e construir a sua rede profissional. Ao focar em seus próprios objetivos, você conquistará vantagem sobre seus possíveis concorrentes e irá se destacar. Torne-se uma referência!
 Por João Vitor Gasparetto, Master Coach certificado pelo Center for Advanced Coaching e Gerente de Transição de Carreira da Thomas Case & Associados.
Fonte http://www.mundorh.com.br/voce-tem-um-plano-de-marketing-pessoal/

quinta-feira, 17 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018


Pegaki: o e-commerce vai tirar você de casa

Com estratégia para reduzir custos de frete, startup credencia pequenos comércios ou redes de lojas para receber produtos comprados online

O varejo online pode até ser o futuro, mas funciona muito melhor em lugares menos comprometidos com o passado. A Índia é um exemplo limite. Para ganhar terreno no país, conhecido pela infraestrutura precária, grandes varejistas como a americana Amazon e a local Flipkart fecharam parcerias com as pequenas lojas de bairro, as kiranas, que vendem um pouco de tudo. Elas foram transformadas em pontos de retirada dos produtos comprados na internet. A questão melhorou a logística final da entrega, ajudou os pequenos negócios a sobreviver e agradou o governo, que temia pela extinção das Kiranas e falava em fortes regulações.
Em termos de infraestrutura, o Brasil está mais para a Índia do que para a Bélgica. Na tentativa de integrar melhor a cadeia logística e reduzir custos de varejistas e transportadoras, o empresário João Cristofolini fundou no final de 2016, com Ismael Costa e Daniel Frantz, a startup Pegaki. O nome é infame, mas o objetivo é nobre: criar uma rede de pontos de retirada de mercadorias, eliminando assim uma das grandes deficiências do varejo eletrônico no país. Saiba mais: Entenda o que startups fazem para conseguir investimento com a BizCapital Patrocinado 
A Pegaki credencia pequenos comércios ou redes de lojas a receber produtos comprados online. A ideia, que já existe na Europa e nos Estados Unidos há décadas, chega ao Brasil para tentar melhorar a experiência de compra para todos os envolvidos. O usuário teria custos de frete reduzidos e não mais precisaria ter alguém em casa para receber o produto; as transportadoras cortam seus custos; os varejistas reduzem a complicação logística e podem oferecer produtos por preços menores; os lojistas e comerciantes ganham maior volume de pessoas e divulgação.
Segundo João Cristofolini, presidente da empresa, as estimativas da Pegaki apontam que hoje cerca de 20% das entregas já são retiradas em pontos físicos no Brasil, principalmente em lojas das varejistas que têm também o e-commerce, como Magazine Luiza ou Ponto Frio. Em mercados onde o modelo de entrega em pontos é mais desenvolvido, como nos Estados Unidos, essa margem chega a 40%. “Nosso objetivo é elevar essa margem para algo em torno de 30%. Atualmente temos 100 pontos em São Paulo e Rio de Janeiro e já negociamos a abertura de outros 1.000 pontos de recebimento nessas cidades”, afirma Cristofolini.
Além de pequenos negócios, a Pegaki tem parcerias com redes como as lavanderias 5àsec, os supermercados Carrefour e os hotéis Accor, que já têm algumas unidades cadastradas como pontos para recebimento. Os locais de retirada recebem da Pegaki pelo credenciamento e ganham fluxo de pessoas. Os varejistas de pequeno e médio porte pagam uma taxa média de 2,50 reais por produto para a Pegaki, que cobre o custo de manutenção da compra por 7 dias e também o seguro da mercadoria. As varejistas maiores trabalham junto das transportadoras e têm modelo de contratação negociado por produto, caso a caso.
A Pegaki, criada em Joinville (SC), surgiu inicialmente com a necessidade atender à demanda de um dos sócios, Daniel Frantz, que tinha um e-commerce e muitos problemas para lidar com insucesso de entregas e a logística reversa de devoluções. “Nós começamos a procurar soluções e acabamos vendo várias iniciativas e alternativas para o problema lá fora. Depois a ideia foi crescendo, fomos selecionados pela aceleradora Cotidiano e fizemos uma primeira rodada de captação”, diz.
Sem fricção
Com um ano de operação, a Pegaki ainda não dá lucro, mas cresceu mais do que o esperado na visão dos diretores, principalmente em termos de parcerias: além das redes onde a retirada é feita, a companhia já fechou negócios com a Dafiti, o maior varejo online de moda da América Latina. Entre as transportadoras, já há uma parceria com a Transfolha, empresa de logística e distribuição do Grupo Folha. Outros nomes do varejo digital estão sob análise.
Só com a Dafiti, a estimativa é que sejam entregues 1.000 encomendas por dia nos 13 pontos parceiros escolhidos pela varejista em São Paulo. “Nós identificamos que a entrega e a devolução de produtos eram as partes inconvenientes da experiência do usuário na Dafiti, o que vai de encontro à conveniência que tentamos oferecer. A parceria com a Pegaki foi uma das soluções que encontramos para retirar fricção do processo de compra e torná-lo mais agradável”, afirma Malte Huffmann, vice-presidente de marketing e fundador da Dafiti.
Para Gastão Mattos, fundador da consultoria Gmattos, especializada em negócios digitais e e-commerce, este é um mercado com grande possibilidade de crescimento. “Nos Estados Unidos, o modelo de retirada em pontos faz muito sentido para reduzir os custos de frete. Por aqui nós ainda temos a questão da infraestrutura e da segurança. Há muitos lugares e CEPs onde transportadoras e até os Correios se negam a fazer entregas”, diz. Segundo ele, o custo da “última milha” pode chegar a 15% do valor do produto comprado, o que é bastante em um mercado que trabalha com lucros, muitas vezes, de um dígito. “As limitações logísticas não podem limitar o crescimento do setor”, afirma.
A consolidação de várias entregas em um único ponto diminui entre 5% e 15% o valor gasto com a logística para entregar em vários lugares, de acordo com estimativas da Transfolha — em mercados mais desenvolvidos, a economia pode chegar a 30%. O consumidor não reclama: segundo pesquisa realizada pela transportadora Total Express, do Grupo Abril, em conjunto com a consultoria Wayra, 29% dos entrevistados, todos consumidores finais, gostariam de contar com a opção de retirar suas encomendas em pontos fixos.
Segundo Alexandre Felix, diretor da Transfolha, o modelo de armários, ou lockers, requer um investimento em infraestrutura maior e por isso tem um retorno de longo prazo, enquanto que o modelo da Pegaki, de credenciamento de pontos, tem um investimento menor. “Há uma demanda dos consumidores e nós estávamos de olho nesse tipo de solução há alguns anos, mas somos uma empresa tradicional e é mais difícil implementar inovações. A parceria com a Pegaki foi essencial”, diz.
Ao que tudo indica, o próximo passo do comércio digital é tirar o consumidor de casa.
Fonte https://exame.abril.com.br/pme/pegaki-o-e-commerce-vai-tirar-voce-de-casa/

quarta-feira, 16 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018


Qual é o papel do vendedor profissional na atualidade?

Consumidores gostam da ideia de ter alguém que se importe com as suas necessidades

Antes de responder qual é a função de um vendedor profissional nos tempos de hoje, é preciso contextualizar as mudanças que esses especialistas passaram no decorrer dos anos. Afinal, a profissão é considerada uma das mais antigas do mundo. Para se ter uma ideia, as pessoas vendem e negociam antes mesmo do surgimento da moeda, desde o período do escambo, quando era preciso apenas falar das características dos produtos ou serviços prestados.
Com o passar dos anos, após a criação do dinheiro e a Revolução Industrial, o cenário mudou, pois a produção passou a exceder a quantidade necessária para o consumo. Nesse contexto, o artesão que antes confeccionava um sapato por vez, com o processo evolutivo, passou a ter uma máquina que poderia produzir três ao mesmo tempo. Ou seja, com mais pares para vender, era preciso fomentar o consumo. Assim, surge a primeira figura do vendedor profissional moderno. 
O breve relato ajuda a compreender que a atividade do vendedor passou por diversas mudanças, sempre com foco no avanço tecnológico e, principalmente, no comportamento dos consumidores. Agora, em um mundo em que todos estão conectados, o tempo todo, com a possibilidade de comprar tudo pela internet, qual é a real função de um vendedor profissional dentro de um estabelecimento? A resposta é simples: o papel do especialista é ser um consultor. Mas, na prática, a questão é um pouco mais complexa.
Na era digital, o consumidor tem acesso a todas as informações dos produtos, as vantagens e desvantagens, consegue comparar os preços praticados no mercado e, talvez o mais importante, avalia a experiência que outras pessoas tiveram ao comprar o mesmo item.
Dentro de todo o universo de possibilidades virtuais, as pessoas são bombardeadas de ofertas encontram um enorme leque de opções. Porém, com essa superexposição, fica difícil escolher. É nesse momento que o cliente prefere ir à loja física, pois precisa ver e avaliar de perto o produto, além de ter uma relação interpessoal com um consultor que o ajude a tomar uma decisão de compra. Os consumidores gostam da ideia de ter alguém que se importe com as suas necessidades. 
O bom profissional, treinado, capacitado com as técnicas fundamentais das vendas e, acima de tudo, que saiba identificar o perfil e as necessidades dos clientes, certamente vai promover uma boa experiência, conquistar a confiança e até mesmo fidelizar o cliente. Quando o assunto é vendas, esse é o grande desafio do mundo moderno.
Mário Rodrigues — Diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas) – www.ibvendas.com.br.
Fonte http://www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/qual-e-o-papel-do-vendedor-profissional-na-atualidade/124887/

terça-feira, 15 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018


Os desafios do setor de transporte de cargas

transporte de carga
Segundo boletim Conjuntura do Transporte – Macroeconomia, da Confederação Nacional do Transporte (CNT), 2017 pode ter sido o melhor ano desde 2011 em termos de expansão do Produto Interno Bruto (PIB). Estimativas apontam que a produção mundial tenha crescido 3,7% e que deve avançar 3,9% em 2018 e 2019. Como consequência, a expectativa é que o volume de bens e serviços negociados no comércio internacional em 2017 aumentaram em 4,7%. A instituição projeta, também, expansão do PIB dos principais parceiros comerciais do Brasil como a China, Estados Unidos, Argentina, Área do Euro e América Latina e Caribe. Um termômetro para identificar se o mercado responde às projeções da CNT são os setores de logística, transporte de cargas e comércio exterior.
Em relação à movimentação de cargas no Brasil, segundo a AT&M Tecnologia, empresa líder no processo de averbação eletrônica de cargas com mais de 20 mil clientes em todo o país, em 2017 foram registrados R$4,2 trilhões, sendo que em 2016 foram R$2,8 trilhões. Isso representa um aumento de 50% na movimentação do transporte de cargas no período comparativo.
Desafios do setor de transporte de cargas
Com mais de 60% das cargas no Brasil transportadas por rodovias, as transportadoras e outros profissionais do setor têm alguns desafios, assim como a falta de infraestrutura do país, que prejudica significativamente a eficiência das operações logísticas. Além disso, o Brasil ocupa a sexta colocação em um ranking de 57 países em que fazer o transporte de carga é mais arriscado, segundo pesquisa realizada este ano pelo comitê de transporte de cargas do Reino Unido – o Join Cargo Committee. O país só perde para regiões conflagradas e em guerra, como Síria, Líbia, Iêmen, Afeganistão e Sudão do Sul. Enquanto a infraestrutura ideal não chega, o setor logístico tem de buscar novas alternativas para aumentar sua produtividade.A adoção de soluções de gestão de frotas e de cargas, por exemplo, trazem agilidade e segurança em sua gestão. Além dos ganhos de produtividade, é preciso destacar que a tecnologia digital é um fator fundamental para a integração do setor logístico nas novas cadeias produtivas do varejo, indústria, além dos órgãos fiscalizadores, que exigem cada vez mais eficiência dos operadores.
Investimentos no setor de transporte de cargas
Segundo o sócio diretor da AT&M, Flademir Lausino de Almeida, a empresa realizou investimentos de mais de 10% do seu faturamento em relação à qualificação de mão de obra, infraestrutura e desenvolvimento de novas tecnologias nos últimos três anos, para garantir a capacidade de processamento e armazenamento dos 40 milhões de documentos que são averbados mensalmente. Para 2018, a empresa acredita em uma nova fase de expansão, com a conquista de novos clientes em relação aos setores de seguradoras, corretoras, transportadoras e embarcadores. A previsão é crescer em torno de 20% o faturamento, apenas em novos negócios nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, além de algumas cidades da região Nordeste.
A partir de 2017, a empresa apostou no desenvolvimento de novas tecnologias para o segmento de transporte de cargas. Cerca de 10 novas soluções já estão em funcionamento e outras em fase final de estruturação para atender todo o mercado brasileiro e seus diferentes setores, desde a averbação do seguro por digitação de dados até a integração de dados em redes de computadores e ambiente web.
“Hoje possuímos uma “suíte” com as soluções mais completas para a emissão e gerenciamento de dados do mercado de seguros para o transporte de cargas, gerando informações estratégicas através dos nossos sistemas de “BI” Business Intelligence, para gestão dos negócios das seguradoras, corretoras, transportadores e embarcadores”, destaca Flademir.
Além disso, a AT&M, empresa que atende mais de 20 mil transportadoras e embarcadores no país, além de seguradoras e corretoras de seguros, investiu em um novo call center que funciona 24 horas por dia, sete vezes por semana, para o atendimento e suporte gratuito às empresas transportadoras sobre emissões de CTe-S (Conhecimento de transporte de cargas) e processo de averbação de seguros.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018


Abordagem de 7 frases

A submissão de um bom produto de entrada através da abordagem de 7 frases (falada e escrita) para pelo menos 50 prospects, irá te propiciar uma grade de respostas com o interesse desse mercado em particular na sua solução

Vamos ver a estrutura dessa abordagem fria, por telefone, montada em 7 frases:
Olá Roberto, tudo bem?
Meu nome é Luiz Gustavo e trabalho para ACME.
ACME é uma empresa especializada em manutenção preventiva em maquinário agrícola.
Estou te ligando, mas sei que você é uma pessoa muito ocupada. Serei breve.
Você está com algum problema no seu maquinário que possamos resolver rapidamente?
Nossos técnicos estão cobrindo a sua região, portanto a visita não será cobrada e você pode nos receber sem nenhum compromisso.
Posso mandar alguém aí amanhã na parte da manhã?
Vamos dissecar esse bicho.
1. Saudação pelo nome.
É muito importante que a sua lista de prospecção contenha os nomes e que você possa tratar as pessoas amistosamente pelo seu primeiro nome.
2. Apresentando-se.
Você diz seu nome completo e nome da sua empresa. Com calma, sem pressa. Nada de apelidos e atropelos aqui e em toda abordagem.
3. Falando rapidamente da empresa.
Muito sucintamente, em uma frase fale da sua empresa, ou seu departamento e o que ele provê para o mercado.
4. Posicione-se humildemente.
Diga que será breve e reconhece que a pessoa está ocupada.
5. Faça uma pergunta.
Pergunte algo que toque em algum ponto sensível ou de necessidade potencial do seu interlocutor.
6. Emende explicando o porquê do seu interesse.
Diga como pode ajudar, no caso da necessidade existir. Essa frase deve conter um benefício explícito.
7. Faça sua oferta.
Faça sua proposição, bem clara e definida e espere pela resposta.
Para os casos onde você não conseguir falar com o Roberto, por motivo de ausência ou ramal ocupado, escreva o seguinte e-mail.
Assunto: Visita técnica de manutenção para LUXTOR
Olá Roberto, tudo bem?
Meu nome é Luiz Gustavo e trabalho para ACME.
A ACME é uma empresa especializada em manutenção preventiva em maquinário agrícola.
Tentei te ligar hoje para verificar se você está com algum problema nas suas máquinas que possamos resolver rapidamente.
Nossos técnicos estão cobrindo a sua região, portanto a visita não será cobrada e você pode nos receber sem nenhum compromisso.
Basta responder a esse e-mail ou me ligar diretamente no 11 1234-5678 que agendamos esta visita.
Obrigado
O e-mail tem quase a mesma estrutura do call com as seguintes diferenças
- Assunto do e-mail: Ação que gera benefício + Nome da empresa.
- Referência à tentativa de ligação: Aqui você menciona que tentou o contato telefônico.
- Oferta: O que você está oferecendo e qual o próximo passo que seu prospect deve dar para aproveitar esta oferta.
- Esta abordagem está baseada em um produto de entrada simples, no caso, a manutenção preventiva.
Produto de entrada é o produto/serviço escolhido para oferecer aos prospects. Quanto mais simples e de maior valor agregado for, melhor.
Na prospecção, e escolha do produto de entrada é fundamental para que sejamos em primeiro lugar compreendidos e em segundo lugar para obtermos uma resposta clara:
- Interessa
- Não interessa
- Envie-nos material para avaliação
A submissão de um bom produto de entrada através da abordagem de 7 frases (falada e escrita) para pelo menos 50 prospects, irá te propiciar uma grade de respostas com o interesse desse mercado em particular na sua solução.
Trabalhe para “varrer” 50 empresas em uma semana.
Números para você ter como referência:
Para cobrir 50 empresas você precisará de 200-250 ligações, uma média de 40 a 50 por dia, para cobrir tudo em uma semana.
Entre 2 a 8 empresas devem dar um sinal positivo, querendo avançar. Se for menos, o produto de entrada é percebido como complexo e portanto de alta fricção.
As empresas desinteressadas: Coloque em um funil de relacionamento automático, para se fazer presente quando abrir a janela de oportunidade.
Fonte http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/abordagem-de-7-frases/110437/

domingo, 13 de maio de 2018

VESTIBULINHO ETEC - INSCRIÇÕES PARA O 2o. SEMESTRE 2018


História do Dia das Mães

Introdução

No Brasil, o Dia das mães é comemorado sempre no segundo domingo de maio (de acordo com decreto assinado em 1932 pelo presidente Getúlio Vargas). É uma data especial, pois as mães recebem presentes e lembranças de seus filhos. Já se tornou uma tradição esta data comemorativa. Vamos entender um pouco mais sobre a história do Dia das Mães.

História do Dia das Mães

Encontramos na Grécia Antiga os primeiros indícios de comemoração desta data. Os gregos prestavam homenagens à deusa Reia, mãe comum de todos os seres. Neste dia, os gregos faziam ofertas, oferecendo presentes, além de prestarem  homenagens à deusa.

Os romanos, que também eram politeístas e seguiam uma religião muita parecida com a grega, faziam este tipo de celebração. Em Roma, durava cerca de 3 dias (entre 15 a 18 de março). Também eram realizadas festas em homenagem a Cibele,  mãe dos deuses.

Porém, a comemoração tomou um caráter cristão somente nos primórdios do cristianismo. Era uma celebração realizada em homenagem a Virgem Maria, a mãe de Jesus.

Mas uma comemoração mais semelhante a dos dias atuais podemos encontrar na Inglaterra do século XVII. Era o “Domingo das Mães”.  Durante as missas, os filhos entregavam presentes para suas mães. Aqueles filhos que trabalhavam longe de casa, ganhavam o dia para poderem visitar suas mães. Portanto, era um dia destinado a visitar as mães e dar presentes, muito parecido com que fazemos atualmente.

Nos Estados Unidos, a ideia de criar uma data em homenagem às mães foi proposta, em 1904, por Anna Jarvis. A ideia de Anna era criar uma data em homenagem a sua mãe que havia sido um exemplo de mulher, pois havia prestado serviços comunitários durante a Guerra Civil Americana. Seus pedidos e sua campanha deram certo e a data foi oficializada, em 1914, pelo Congresso Norte-Americano. A lei, que declarou o Dia das Mães como festa nacional,  foi aprovada pelo presidente Woodrow Wilson. Após esta iniciativa, muitos outros países seguiram o exemplo e incluíram a data no calendário. 

Após estes eventos, a data espalhou-se pelo mundo todo, porém ganhando um caráter comercial. A essência da data estava sendo esquecida e o foco passou a ser a compra de presentes, ditado pelas lojas e pelo marketing, com objetivos meramente comerciais. Este fato desagradou Anna Jarvis, que estava muito desapontada em ver que o caráter de solidariedade e amor da data estava se perdendo. Ela tentou modificar tudo isso. Em 1923, liderou uma campanha contra a comercialização desta data. Embora com muita repercussão, a campanha pouco conseguiu mudar.

A ETEC DE ARUJÁ deseja à todas mães 
"FELIZ DIA DAS MÃES", cheio de Alegria, Amor, Paz e Felicidades.


Fonte https://www.suapesquisa.com/historia_dia_das_maes.htm